LEIA: Revista EVTEA da Hidrovia do Rio Paraguai

A Universidade Federal do Paraná, por meio do Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura (UFPR/ITTI), elaborou um informativo sobre o Estudo de Viabilidade Técnica, Ambiental e Econômica (EVTEA) da Hidrovia do Rio Paraguai.

A publicação aborda o desenvolvimento, as etapas e conclusões do Estudo que foi desenvolvido ao longo de dois anos por uma equipe multidisciplinar e que foi concluído recentemente.

Confira aqui a versão online do informativo!

Capa Informativo JPEG

Assessoria de Comunicação
ITTI – Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura
(41) 3226-6658 | comunicacao@itti.org.br

UFPR/ITTI apresenta EVTEA da Hidrovia do Rio Paraguai em evento do setor aquaviário no Rio de Janeiro

A Universidade Federal do Paraná (UFPR) participou nos dias 05 e 06 de maio de um dos mais expressivos eventos do setor aquaviário brasileiro, o Ecobrasil 2016 – 12º Seminário Nacional sobre Indústria Marítima e Meio Ambiente, realizado no Rio de Janeiro, onde apresentou o Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) da Hidrovia do Rio Paraguai. O promovido anualmente pela revista Portos e Navios.

O EVTEA, desenvolvido pela equipe do Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura da (UFPR/ITTI), foi tema do segundo dia de palestras do evento, que tratou também de temas como gestão portuária e dragagem de portos públicos, licenciamento ambiental e regulamentação para dragagens, licenciamento ambiental das atividades de petróleo no Brasil, atuação do Ministério Público em acidentes ambientais nos portos, entre outros.

O Estudo foi apresentado pelo professor do Departamento de Transportes da Universidade, o Prof. Dr. Eduardo Ratton, que descreveu o desenvolvimento do EVTEA e suas principais etapas e conclusões, entre elas o fato da Hidrovia pode ser uma excelente alternativa para o transporte de cargas no Centro-Oeste brasileiro. No Estudo foram apontadas os principais gargalos logísticos e operacionais de navegação no Rio Paraguai e as potencialidades futuras da Hidrovia.

ECOBRASIL-2016 (50)
O coordenador do EcoBrasil, Heitor Ciuffo, destacou a valorosa participação da UFPR/ITTI no evento. “O EcoBrasil foi criado em 2002 com o propósito de trazer soluções para o setor, por isso, ele reúne representantes do tripé: Governo, como a Antaq, o Dnit e o Tribunal de Contas,; empresas da área de meio ambiente, e; universidades, que trazem para o debate o conhecimento tecnológico através de estudos e produtos que são produzidos no ambiente acadêmico. Neste ano, o EVTEA da Hidrovia do Rio Paraguai, apresentado pela UFPR/ITTI trouxe questionamentos interessantes sobre batimetria, que levantou a possibilidade da realização de um evento específico sobre hidrovias”, ressaltou.

O evento reuniu especialistas da área pública e representantes de instituições privadas do setor aquaviário com o intuito de aprimorar os conhecimentos sobre novas tecnologias, investimentos e conservação do Meio Ambiente nos portos, na indústria naval e na Marinha Mercante, entre eles Antaq, Secretaria de Portos da Presidência da República (SEP), Marinha do Brasil, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Universidade Federal do Paraná (UFPR), Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Companhia Docas do Estado do Espírito Santo (Codesa), Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Ministério Público de Santos e Instituto Nacional de Pesquisas Hidroviárias (INPH).

Todas as palestras, em Power Points, foram disponibilizadas pela organização do evento no link https://goo.gl/6dRz88 .

Assessoria de Comunicação
ITTI – Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura
(41) 3226-6658 | comunicacao@itti.org.br

EVTEA da Hidrovia do Rio Paraguai é apresentado para DNIT em seminário em Brasília

O Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) da Hidrovia do Rio Paraguai foi tema de um seminário realizado na última quinta-feira (18), em Brasília, que reuniu cerca de 30 pessoas entre representantes do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) e da Universidade Federal do Paraná/Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura (UFPR/ITTI), responsável pela elaboração do Estudo.

Foto seminário EVTEA

Foram apresentados todos os aspectos envolvidos no Estudo. Um pesquisador de cada área expôs os levantamentos realizados pela equipe e os resultados obtidos em quase 24 meses de trabalho.
O coordenador geral do EVTEA, Eduardo Ratton, foi responsável pela apresentação geral dos estudos e pela exposição do Diagnóstico Ambiental. O restante do seminário foi dividido da seguinte forma:

• Levantamento de campo – Gustavo Tomas – Engenheiro Civil e Mestre em Recursos de Engenharia de Recursos Hídricos e Ambiental (PPGERHA/UFPR)
• Modelagem Hidrodinâmica – Prof. Dr. Tobias Bleninger
• Estudos Hidráulicos, Hidrodinâmicos, de Balizamento e Sinalização – Philipe Ratton – Engenheiro Civil e Mestre em Recursos de Engenharia de Recursos Hídricos e Ambiental (PPGERHA/UFPR)
• Estudos Econômicos – Flávia Waydzik – Engenheira Civil
• Viabilidade Econômica – Prof. Dr. José Geraldo Maderna
• Custos – Prof. Ms. Edu Franco
• Aspectos Jurídicos – Ruy Zibetti – Advogado

As apresentações foram acompanhas por técnicos de diversas especialidades da Diretoria de Infraestrutura Aquaviária (DAQ) e da Diretoria de Planejamento e Pesquisa (DPP) da Autarquia, que puderam fazer observações e esclarecer dúvidas sobre as informações fornecidas pela equipe da UFPR/ITTI.
A principal conclusão apresentada pelo Projeto foi quanto à viabilidade técnica, econômica e ambiental dos serviços de dragagem necessárias para a operação de transportes de cargas na Hidrovia em qualquer época do ano.
Segundo Ratton, a partir das considerações realizadas pelo DNIT serão feitas pequenas complementações ou supressões nos relatórios do EVTEA e um nova apresentação será organizada no prazo de dez dias em Brasília. “Recebemos um retorno muito positivo, o trabalho foi considerado muito bem feito. Só faremos pequenos ajustes e teremos uma nova apresentação”, conta o coordenador.

Assessoria de Comunicação
ITTI – Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura
(41) 3226-6658 | comunicacao@itti.org.br

UFPR/ITTI apresenta EVTEA da Hidrovia do Rio Paraguai para Marinha em reunião em Corumbá

Uma das equipes do Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura (ITTI) da Universidade Federal do Paraná (UFPR), que atua na elaboração do Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) da Hidrovia do Rio Paraguai, apresentou o andamento dos trabalhos ao 6º Comando do Distrito Naval da Marinha do Brasil e à Administração da Hidrovia do Paraguai (AHIPAR). As reuniões ocorreram em Corumbá nos dias 28 e 29 de setembro e contaram também com a presença de representantes do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit).

image2Os pesquisadores expuseram as atividades da equipe de Hidrologia e Hidráulica, incluindo desde os trabalhos de campo até os resultados obtidos em escritório, como por exemplo o volume total de dragagem necessário para adequar o canal de navegação ao comboio-tipo definido em projeto.

Os representantes do ITTI ainda apresentaram a parte econômica do EVTEA com foco na implementação de um terminal de cargas na região de Santo Antônio das Lendas e a metodologia empregada no cálculo de custos do projeto.

Durante o encontro, a AHIPAR entregou formalmente à UFPR/ITTI os dados de batimetria referentes ao Tramo Sul da Hidrovia. Os dados do Tramo Norte serão entregues na primeira semana do mês de outubro. “Com essas informações será possível traçar o canal de navegação e detalhar os projetos de dragagem nos passos críticos que apresentam restrições de profundidade”, explica o engenheiro civil do EVTEA, Gustavo Tomas.

O comandante do 6º Distrito Naval da Marinha do Brasil, Contra-Almirante Petrônio Aguiar, considerou o Estudo bastante consistente e convidou a equipe para apresentar o EVTEA para outros representantes do setor durante o Fórum “Rumos da Hidrovia”, que será promovido pelo 6º DN, entre os dias 25 e 27 de novembro, em Corumbá.

“Participar desse evento é muito importante porque na ocasião será debatido o futuro da Hidrovia. Entre os aspectos abordados estarão o transporte de cargas, sinalização náutica, meio ambiente, operação e fiscalização da hidrovia para que sejam mantidos padrões adequados de segurança e confiabilidade na navegação”, ressalta Tomas.

NOTÍCIA: UFPR/ITTI realiza 2º Seminário de Acompanhamento do EVTEA da Hidrovia do Rio Paraguai

Representantes do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) e da Universidade Federal do Paraná (UFPR) participaram do 2º Seminário de Acompanhamento do Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) da Hidrovia do Rio Paraguai, que está sendo elaborado pela Universidade por meio do Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura (UFPR/ITTI).

A reunião, realizada no Centro Politécnico, atualizou os participantes sobre o desenvolvimento dos trabalhos das equipes das áreas de Hidrologia, Economia, Cartografia e Meio Ambiente envolvidas no Estudo.

Hidrologia
Tobias Bleninger, professor da UFPR responsável pela equipe Hidrologia e Hidráulica, expôs as atividades realizadas desde o início do EVTEA, incluindo os trabalhos de campo até os resultados obtidos em escritório. Entre os pontos abordados durante o encontro estavam o volume total de dragagem necessário para adequar o canal de navegação ao comboio-tipo definido em projeto e a existência de inúmeras curvas com raio de curvatura inferior ao mínimo recomendado pelo PIANC, associação que reúne especialistas em obras costeiras e portuárias de vários países do mundo.

Economia
Os professores da UFPR responsáveis pelo enfoque econômico do Estudo apresentaram as tendências mundiais das exportações de soja, milSeminário EVTEA siteho e minério de ferro, principais produtos comercializados pelo Mato Grosso do Sul; além do cenário do custo logístico brasileiro e das dificuldades de transporte, especialmente para os municípios localizados no extremo norte mato-grossense.

A equipe ainda tratou da viabilidade dos portos e da utilização da malha ferroviária já existente em Mato Grosso do Sul.

O professor José Geraldo Maderna, coordenador da equipe de Economia, explanou sobre a possibilidade de utilizar barcos menores nos rios Cuiabá e Jauru como forma de transbordo. “Seria uma alternativa de se usar o tráfego misto na mesma modalidade de transporte, o que abriria novas soluções para a região de Cuiabá e Porto Esperidião, por exemplo”, explica Maderna.

“Nesse tipo de reunião, a UFPR informa as dificuldades encontradas e como o DNIT pode ajudar, por exemplo, com o fornecimento de alguns dados para viabilizar a conclusão do Estudo. Conseguimos verificar essa dificuldade e já vamos providenciar as informações. O material está bem adiantado e minha avaliação é bem positiva. Estou gostando do andamento, e com esses encontros sei como a equipe está trabalhando em cima dos produtos. A equipe está bem inteirada, entendendo bem, eles sabem responder os questionamentos, então eu gostei bastante”, ressalta Rodrigo Portal de Matos, coordenador-geral da Coordenação Geral de Portos Marítimos do DNIT.

Equipe
O EVTEA da Hidrovia do Rio Paraguai conta com a participação de 24 professores e mais de 25 estagiários de graduação e pós-graduação de diversas áreas de conhecimento.

Assessoria de comunicação
ITTI – Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura
(41) 3226-6658 | comunicacao@itti.org.br

NOTÍCIA: Artigo sobre EVTEA é premiado pelo Conselho Federal Administração

Trabalho foi elaborado por acadêmica de Administração da Universidade Federal do Paraná

O artigo “O Impacto da Logística Para o Desenvolvimento do Brasil – Otimização das Rotas de Exportação na Infraestrutura Logística do Mato Grosso e do Mato Grosso do Sul”, elaborado pela estudante de Administração Leticia Scremim, enquanto era estagiária do Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura (ITTI), ficou em segundo lugar no “Prêmio Belmiro Siqueira de Administração”, concurso nacional promovido anualmente pelo Conselho Federal de Administração (CFA).

O trabalho trata da otimização das rotas de exportação das principais comodities da região, soja, milho e minério da região. Foram elaborados diversos cenários prospectivos enfatizando a melhoria da infraestrutura logística do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Como conclusão do trabalho foram elencadas as principais obras e seus respectivos ganhos econômicos calculados.

leticiaLetícia produziu o artigo enquanto participava do Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) da Hidrovia do Rio Paraguai, realizado pelo ITTI. Ela foi orientada pelos
professores José Eduardo Pécora Jr, do Departamento de Administração Geral e Aplicada, e Cassius Scarpin, do Departamento de Engenharia da Produção, ambos da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

O EVTEA da Hidrovia do Rio Paraguai é realizado por uma equipe multidisciplinar da UFPR/ITTI entre o município de Cáceres, em Mato Grosso, e a foz do Rio Apa, em Mato Grosso do Sul. A Hidrovia é um dos mais extensos e importantes eixos continentais de integração política, social e econômica (1.720 km em território brasileiro). Juntamente com o Rio Paraná totaliza 3.442 km, que cortam quase a metade da América do Sul, desde Cáceres até Nova Palmira, no Uruguai.

Prêmio – O prêmio Belmiro Siqueirade Administração foi criado em 1988 para valorizar os estudos realizados por administradores e estudantes do ensino superior que contribuam para o desenvolvimento da profissão e da ciência da Administração no Brasil.

Podem concorrer ao prêmio todos os Conselhos Regionais de Administração do Brasil. O trabalho da Leticia foi o eleito pelo Conselho Regional de Administração do Paraná para representar o estado na premiação nacional.
Os vencedores receberam certificado, troféu, além de premiação em dinheiro que variou de acordo com a categoria e a colocação, com exceção da categoria “Empresa Cidadã”, que recebeu certificado e troféu.

NOTÍCIA: UFPR/ITTI e DNIT se reúnem com representantes da Marinha do Brasil para discutir estudo realizado no Rio Paraguai

O Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) da Hidrovia do Rio Paraguai, que está sendo desenvolvido pela Universidade Federal do Paraná por meio do Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura (UFPR/ITTI), foi tema de uma reunião realizada em Niterói/RJ entre pesquisadores do Instituto, representantes da Marinha do Brasil e do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit).

O encontro, realizado no Centro de Hidrografia da Marinha (CHM), teve como objetivo debater os níveis de redução das réguas linimétricas ao longo da Hidrovia do Rio Paraguai e foi presidida pelo Diretor do CHM, Rodrigo de Souza Obino, Capitão-de-Mar-e-Guerra da Marinha do Brasil.

A elaboração do EVTEA, feito em cooperação entre a UFPR/ITTI e o Dnit, engloba a previsão de dragagens ao longo do Rio Paraguai que possuem como referência os níveis de redução (NRs) das réguas linimétricas implantadas e homologadas pela Marinha do Brasil.

Reunião marinha RJ_ok

A Universidade realizou uma análise dos níveis de redução das estações fluviométricas de Cáceres (DNPVN), Bela Vista do Norte, Ladário, Forte Coimbra e Porto Murtinho, e solicitou a reunião entre as instituições para debater e definir quais os níveis de redução que serão aplicados no estudo.

De acordo com a CHM, os valores de níveis de redução apresentados nas fichas cadastrais foram calculados no ano de 2000 e são atualizados a cada 20 anos. A instituição afirma ainda que os níveis de reduções atuais são empregados nas cartas náuticas e podem ser utilizados no estudo desenvolvido pela UFPR. Contudo, a Marinha informou que irá analisar os resultados obtidos pela UFPR/ITTI. “Por enquanto ficou estabelecido que a UFPR continuará empregando os NRs oficialmente divulgados pela Marinha até que seja definido um parecer oficial das análises”, informa o engenheiro civil da UFPR/ITTI Philipe.

Durante a reunião, os participantes ainda debateram a metodologia para determinação da quilometragem da hidrovia, o critério de dimensionamento do canal de navegação, as batimetrias que foram recentemente realizadas por empresas terceirizadas na Hidrovia, as dragagens executadas e possíveis informações sobre as cartas náuticas eletrônicas (iENC), que estão sendo elaboradas pela Marinha do Brasil.

O EVTEA está em fase de desenvolvimento pelo ITTI, no âmbito do Termo de Cooperação nº 096/2014 celebrado entre a UFPR e o DNIT. O estudo tem como objetivo avaliar o transporte de cargas na Hidrovia do Rio Paraguai, diagnosticando a situação atual e propondo ações e investimentos para melhorar a segurança da navegação e ampliar a movimentação de cargas.

Assessoria de comunicação
ITTI – Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura
(41) 3226-6658 | comunicacao@itti.org.br

NOTÍCIA: EVTEA Rio Paraguai realiza reunião com especialista em logística

Equipe socioeconômica do projeto apresentou o estágio atual do projeto para troca de informações e experiências com o consultor

_DSC2375A equipe socioeconômica do Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) da Hidrovia do Rio Paraguai – realizado pela Universidade Federal do Paraná, por meio do Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura – reuniu-se com o especialista em exportação e logística, e consultor de Logística da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), o economista Luiz Antônio Fayet,_DSC2391 para expor os resultados obtidos até o momento pelos pesquisadores que atuam no projeto.

A equipe apresentou um quadro geral do EVTEA, com informações sobre modelos e cenários de fluxos de carga da região Centro – Oeste, que foi apresentado pelos professores da UFPR José Maderna e Marcelo Curado. Fayet, que acumula anos de experiência na área pública com exportação e logística, além de ser especialista nas regiões produtoras de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, conversou com os pesquisadores e trocou informações sobre as características logísticas, fluxo de cargas, fretes e taxas atuais praticadas no Brasil e no exterior.

“O grande problema que nós temos hoje são os custos logísticos para a exportação de grãos. Nosso custo, da porteira até o porto de embarque, é quatro vezes maior que o dos EUA ou Argentina. Por isso estamos passando por este apagão portuário”, comenta Fayet.

Segundo o economista, por estes motivos, a viabilização de novas rotas, principalmente quando envolve terminais portuários de exportação, pode reduzir os custos de exportação. “Isto significará três coisas: ampliar a capacidade competitiva no mercado internacional; descongestionar as rotas atuais de exportação, e conseguir reter nas regiões produtoras uma parcela maior da renda das exportações, o que trará desenvolvimento nestas áreas”, conclui.

O diretor de Infraestrutura Aquaviária do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (DAQ/Dnit), Paulo Godoy, também participou da reunião e defende que este tipo de encontro é importante para fortalecer a sinergia entre o interesse do governo federal, dos profissionais e professores que estão desenvolvendo o estudo. “Quanto mais os elementos forem consolidados durante a construção dos relatórios, mais fácil será implementar o que for definido pelo estudo posteriormente. E, até o momento, os dados levantados têm se mostrado satisfatórios”, avalia.

Para Eduardo Ratton, coordenador de projetos do ITTI, a contribuição de Fayet é de grande importância para o EVTEA e para os demais projetos desenvolvidos pelo Instituto. “O professor Fayet tem uma ampla experiência em logística brasileira e como estamos na Universidade, em um ambiente de debate e troca de ideias, é muito relevante ter esse tipo de contribuição”, comenta.

Assessoria de comunicação
ITTI – Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura
(41) 3226-6658 | comunicacao@itti.org.br

NOTÍCIA – UFPR/ITTI percorre Rio Miranda para estudo de viabilidade da Hidrovia do Rio Paraguai

Com esta coleta de dados, os levantamentos de campo do EVTEA do Rio Paraguai estão concluídos

Pesquisadores responsáveis pela elaboração do Estudo de Viabilidade Econômica Técnica e Ambiental (EVTEA) da Hidrovia do Rio Paraguai percorreram, durante três dias, cerca de 300 quilômetros do Rio Miranda, em Mato Grosso do sul, para avaliar condições de navegabilidade deste trecho da Hidrovia. O estudo é realizado pela Universidade Federal do Paraná, por meio do Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura (UFPR/ITTI).

A equipe investigou o intervalo do rio entre o município de Miranda (MS) e a foz do Rio Paraguai. Foi realizada a medição longitudinal da profundidade para avaliar os locais críticos de navegação na Hidrovia. Além disso, foi realizado também um levantamento das pontes ao longo do Rio Miranda e das altitudes dos vãos centrais para identificar em quais condições as embarcações podem navegar.

Também foi realizada a implantação de uma Referência de Nível (RRNN), utilizando técnicas de nivelamento trigonométrico e geodésia espacial, para obter informações sobre o desnível do Rio, entre Miranda e o Passo do Lontra, e entre o Passo do Lontra e o Rio Paraguai. “Isso serve para saber qual é a intensidade que a água escoa e outros detalhes hidrológicos. Mas o foco do trabalho de campo foi a batimetria longitudinal para verificação dos trechos críticos da navegação. Aproveitamos a ida para obter mais dados, caso sejam necessários mais detalhamentos depois”, explica o engenheiro ambiental Henrique Guarneri.

Com a conclusão desta atividade, os levantamentos de campo do EVTEA da Hidrovia do Rio Paraguai estão finalizados. Anteriormente, os mesmos levantamentos foram realizados nos tramos Norte e Sul do Rio Paraguai (de Cáceres a Corumbá e de Corumbá a foz do Rio Apa, respectivamente), e no Rio Cuiabá, de Porto Cercado até o Rio Paraguai.

Segundo Guarneri, a próxima etapa será avaliar os dados coletados e definir os trechos críticos que devem receber alguma intervenção, seja por meio de dragagem ou outras soluções hidrológicas, como a implantação de espigões e outros tipos de soluções. “Após definição dos trechos, estima-se o volume total de dragagem que será necessária. Do Rio Paraguai a definição está concluída, enquanto a do Rio Cuiabá está sendo desenvolvida”, informa.

Sobre o EVTEA da Hidrovia do Rio Paraguai

O Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) da Hidrovia do Rio Paraguai é resultado da cooperação entre o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes e a Universidade Federal do Paraná, por meio do Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura (UFPR/ITTI) e está sendo realizado por uma equipe multidisciplinar entre Cáceres/MT e a Foz do Rio Apa, em Mato Grosso do Sul.

A Hidrovia é um dos mais extensos e importantes eixos continentais de integração política, social e econômica (1.720 km em território brasileiro). Juntamente com o Rio Paraná totaliza 3.442 km, que cortam quase a metade da América do Sul, desde Cáceres, até Nova Palmira, no Uruguai.

EVTEA Hidrovia do Rio Paraguai

O Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) da Hidrovia do Rio Paraguai está sendo realizado por uma equipe multidisciplinar da Universidade Federal do Paraná, por meio do Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura (UFPR/ITTI),  entre Cáceres/MT e a Foz do Rio Apa, em Mato Grosso do Sul.

A Hidrovia é um dos mais extensos e importantes eixos continentais de integração política, social e econômica (1.720 km em território brasileiro). Juntamente com o Rio Paraná totaliza 3.442 km, que cortam quase a metade da América do Sul, desde Cáceres, até Nova Palmira, no Uruguai.

EVTEA

Os objetivos do EVTEA são:

  • Identificar o fluxo de cargas e o potencial de crescimento de navegação no Rio Paraguai;
  • Detectar passagens críticas que necessitem de melhorias (geométrica, sinalização e profundidade);
  • Identificar potenciais cargas (minérios e agronegócio);
  • Investimentos: apontar áreas propícias para a instalação de novos terminais e áreas que necessitem de dragagens;
  • Desafios: verificar soluções para ampliação da conectividade e para cargas de retorno;
  • Avaliar a infraestrutura que já existe ao longo da Hidrovia (portos e desempenho no carregamento e transporte de cargas).

A partir dos conhecimentos aferidos nos levantamentos serão estudadas e projetadas as potencialidades futuras da Hidrovia, principalmente no que diz respeito as ações de melhoria da navegação, absorção de cargas regionais e reestruturação dos portos e terminais de cargas.

Ganhos

Entre as vantagens do transporte de cargas por hidrovias estão:

  • o menor custo;
  • a menor emissão de poluentes;
  • a redução do tráfego e do número acidentes nas rodovias regionais.

No modal hidroviário, o gasto com combustível e a consequente emissão de CO2 é 20 vezes menor que no modal rodoviário.

Veja este exemplo: enquanto uma carreta transporta até 26 toneladas de carga, uma barcaça tem capacidade para 900 toneladas.

Para transportar esta carga, um caminhão gasta 390 litros de combustível a cada mil quilômetros. Na hidrovia, para transportar a mesma quantidade, o gasto cai para 104 litros a cada mil quilômetros.

Tabela Comparativa

Meio ambiente

Na área ambiental, o EVTEA busca identificar os impactos gerados pela implantação e operação da Hidrovia, além de indicar procedimentos que possam diminuí-los ou evitá-los. Em especial porque o Rio Paraguai corta o Pantanal, bioma que reúne quase 900 espécies de animais e 3.500 espécies de planta – a maior área alagada do mundo, tombada como Patrimônio Natural da Humanidade.